MUSEU SOBRE O RITUAL DA BEBIDA

The Bridge Collection
9.000 YEARS OF DRINKING

THE BRIDGE COLLECTION - 9000 ANOS DE HISTÓRIA CONTADA ATRAVÉS DE COPOS

Numa das peças em exposição pode ler-se em grego antigo:
“Quando bebemos uma bebida, os nossos cuidados vão dormir e nós deixamos as nossas preocupações irem também.”

No The Bridge Collection vai perceber as diferentes características de um copo: na rotina do dia-a-dia, nos rituais ou mesmo nas celebrações e comemorações.
Esta é a história de um namoro entre o Homem e o álcool ou se quisermos a história do Homem e da Humanidade contada através dos copos. A viagem no tempo faz-se desde as primeiras civilizações até à atualidade. No total, são mais de 1800 peças – a mais antiga data do ano de 7000 a.C.

Sorva conhecimento até à última gota, embarque nesta viagem.



GARANTA O SEU BILHETE AQUI

450 D.C.

Este copo distingue-se pelo relevo de um rosto masculino barbudo, com nariz reto e olhos grandes, bigode curto e barba larga, adornado por cabelos encaracolados.
Estes exemplares são tipicamente encontrados nas regiões da Renânia e Danúbio do Império Romano Ocidental.

 

ca. 1600

Esta pequena taça tem como característica principal o facto de ser monolítica, ou seja, corpo e pé foram lavrados de um único bloco de mineral.
A variedade do mineral usado e a sua forma sugerem que a taça deverá ter origem no Guazarate, província do noroeste da Índia.

ca. 1662

Este cálice do período Kangxi Chinês tem uma decoração de estilo Lac burgauté – uma técnica asiática.
No centro da peça, encontra-se representado um poema inscrito em mandarim sobre a primavera, um pagode e uma ponte numa paisagem rochosa, plantas e árvores, tudo em brilhantes e iridescentes fragmentos de madrepérola incrustados.

 

ca. 1700

Esta taça em jade proveniente da Índia, Mughal, era utilizada para beber vinho ou para tomar ópio dissolvido em vinho misturado com especiarias - uma prática altamente incentivada pelos imperadores mongóis.
Um dos aspetos curiosos desta peça é a sua proveniência. Pertenceu à coleção de Elsa Schiaparelli, uma famosa estilista italiana e rival de Coco Chanel.

ca. 1000

Este copo distingue-se pelo relevo de um rosto masculino barbudo, com nariz reto e olhos grandes, bigode curto e barba larga, adornado por cabelos encaracolados.
Estes exemplares são tipicamente encontrados nas regiões da Renânia e Danúbio do Império Ocidental.

 

ca. 1600

Esta pequena taça tem como característica principal o facto de ser monolítica, ou seja, corpo e pé foram lavrados de um único bloco de mineral.
A variedade do mineral usado e a sua forma sugerem que a taça deverá ter origem no Guazarate, província do noroeste da Índia.

ca. 1662

Este cálice do período Kangxi Chinês tem uma decoração de estilo Lac burgauté – uma técnica asiática. No centro da peça, encontra-se representado um poema inscrito em mandarim sobre a primavera, um pagode e uma ponte numa paisagem rochosa, plantas e árvores, tudo em brilhantes e iridescentes fragmentos de madrepérola incrustados.

 

1760

Esta taça em jade proveniente da Índia, Mughal, era utilizada para beber vinho ou para tomar ópio dissolvido em vinho misturado com especiarias - uma prática altamente incentivada pelos imperadores mongóis.
Um dos aspetos curiosos desta peça é a sua proveniência. Pertenceu à coleção de Elsa Schiaparelli, uma famosa estilista italiana e rival de Coco Chanel.

 

HORÁRIO

Segunda a Sexta | 12h às 20h30
Sábado e Domingo | 10h às 20h30 (Última entrada às 19h)